03/06/2009

DAS TANTAS FAMÍLIAS QUE TEMOS...

Tem aqueles dias em que a carência é tão grande, o desamparo tão amargo que as coisas mais simples consolam...foi assim outra noite...voltando do trabalho, já bem tarde, o friozinho completamente atípico para o cerrado goiano...e quando abro o portão eltrônico do prédio para entrar com o carro na garagem vejo o olhar sempre sereno e simpático do seu Raimundo, porteiro da noite, com o sorriso mais meigo do mundo, zelando pela minha entrada e me dando as boas vindas em casa...esquentou o coração!!!

Mudou o clima daquele final de jornada que se anunciava triste e monótono...

Foi então que pensei em como pessoas como seu Raimundo passam a fazer parte de nossas vidas tal como uma família. Ele que por pelo menos quatro vezes no meio da madrugada foi me “ socorrer” no apartamento quando eu encontrava lagartixas dentro de casa (affff...pago cada mico com esses monstrinhos..tá bom, não precisam me dizer, mais uma vez, que elas são inofensivas e comem mosquitinhos...argh...é fobia mesmo, medo irracional daquilo que não oferece perigo real....)

Também é seu Raimundo quem cuida do meu sono quando os vizinhos barulhentos insistem em desrespeitar as regras básicas de boa convivência dentro do condomínio. Toma minhas dores, faz advertências e sempre dá um jeito de acabar com a bagunça.

Às vezes passo apuros com seu Raimundo, já pra lá dos sessenta anos tem dificuldades em se manter acordado por toda a madrugada e quantas vezes o surpreendi dormindo em pé na guarita, dando pescoções, tadinho, e eu trancada do lado de fora, ahaha!!

E ele tem veia artística! Pra afugentar o sono, não é raro encontrá-lo a cantarolar canções evangélicas e desta forma espantar os seus males ( e por tabela, os nossos  também!)

Obrigada por estar sempre ali, seu Raimundo!

 

17:07 Écrit par Observatoire a dans Général | Lien permanent | Commentaires (4) |  Facebook |

Commentaires

Sei bem como é isso, amiga! Quem mora sozinho e não tem família por perto tem nos Raimundos um conforto fraternal. Também tenho os meus. Sobre a minha gafe em Liège: dá pra esquecer?! kkkkkkkk
Bjos

Écrit par : Aline | 03/06/2009

Oi, Mônica!
Há pessoas que sem saber operam milagres em nossas vidas. Tem coisa melhor do que um sorriso sincero? Eu tenho um colega de trabalho que do meio de tantas caras emburradas sempre surge com um sorriso largo quando chego. É um alento, sabia?
Ah, brigada pela visita! Estavas sumida, não?
Beeeeeeijo!!!!!

Écrit par : Alline | 04/06/2009

Muito legal vc ter tido esta percepção,MONICA. Realmente a gente tem uns anjos próximos de nós,no dia-a-dia ( com ou sem hífem ? ),que poucos percebem ou reparam. Ainda mais nestas loucas cidades grandes,não é? Beijos!

Écrit par : DO | 06/06/2009

Monkina, que carinho isso, que delicadeza ! Próprios de vc mesma que, aliás, merece todo o nosso amor, o amor dessa família de amigos que te amam profundamente, mesmo que não possam te ver tantas vezes quanto queríamos para poder dizer bem alto: te amo ! te amo ! te amo! Sempre vou cuidar de vc, como vc sempre cuidou de mim, minha irmã...

Écrit par : Patrícia | 10/06/2009

Les commentaires sont fermés.