21/08/2006

À BEIRA DE UM ATAQUE DE NERVOS...

Ausência justificada pelo pesadelo de morar em prédio....aaaarghhh...

Tudo começou quando a cínica, ops, a síndica do prédio onde moro me procurou pedindo autorização para entrar no meu apto. e quebrar a parede da minha cozinha a fim de sanar um problema de vazamento e infiltração ...explicando melhor: moro no primeiro andar (um suplício, nunca escolham o primeiro andar de um prédio para morar) e minha cozinha fica sobre a cozinha do zelador, que há alguns meses começou a apresentar vazamentos...

A cínica, ops, síndica, chegou à conclusão ( talvez com a bola de cristal que guarda junto com a vassoura voadora atrás da porta) que o problema era um cano furado dentro do meu apto. Achei estranho, pois se fosse isso, minha cozinha também apresentaria problemas de infiltração, ou a laje que separa os andares estaria úmida...enfim...nem discuti! Falei que tudo bem, concordava em deixar fazer a reforma entrando pelo meu apto. Ela me assegurou que as despesas seriam todas pagas pelo condomínio e minha cozinha ficaria intacta, já que se tratava de uma falha na estrutura do prédio.

Ok, cara senhora, mas por favor, gostaria que o condomínio colocasse tudo isso  no papel em forma de um contrato simples de responsabilidade, só por cautela, zelo mesmo...

Afinal, eu não nasci ontem e meu apartamento foi reformado há um ano, está todo novinho. Para fazer a reforma debaixo da pia vão danificar o armário novo que instalei há poucos meses, quebrar a cerâmica e quero que o deixem como o encontraram...

Para que fui falar isso? O efeito foi devastador, parecia que eu tinha chamado a mãe da sujeita de rapariga ou coisa parecida...a velhota achou o cúmulo eu pedir o contrato, eu DEVERIA confiar na palavra dela, etc,etc...

Começou o pesadelo...ela se recusou a redigir o contrato e falou que eu o fizesse...Fiz! Ela não concordou com ele e nem me propôs um outro...partiu para a briga pessoal...e vocês não imaginam como  ODEIO gente escandalosa, histérica. A sujeita é do tipo que só conversa gritando, se fazendo de vítima, alterada, ligava dia e noite no meu celular, me incomodava no trabalho e não aceitava ouvir meus argumentos...Para piorar a situação, falou que se o problema fosse no meu apto. eu iria arcar com todos os gastos. Ou seja, me provou que eu tinha razão em me precaver! Ora, como é que primeiro ela vem me pedir para entrar no apto. e resolver um dano da estrutura do prédio ( que é SUPER mal feito e mal dimensionado, segundo minha cunhada que é engenheira e já estudou a planta hidráulica do meu andar de cabo a rabo)  e depois muda a conversa me ameçando como se o problema tivesse sido provocado por mim? O nome disso é malandragem!

Só para situar os leitores: preciso usar uma trava debaixo da pia para evitar que água de esgoto retorne dentro da minha cozinha, justamente por causa das falhas no primeiro andar...já cheguei em casa duas vezes e minha cozinha estava inundada e fedendo...a falta de desnível nos canos provoca os entupimentos e acarreta os danos e só uma boa manutenção (que NÃO é feita pelo condomínio) pode amenizar as dores de cabeça...Mas não, a cínica, ops, síndica, queria me fazer pagar o pato!

Bati o pé e disse que sem um contrato, nada feito! Amigos que são advogados, juízes, promotores me disseram que eu tinha razão, é um direito meu pedir o documento e a rejeição dela caracterizava má fé...

Ela enlouqueceu, começou a me ameaçar e me acusar de “obstruir” o trabalho dela, entre outras insanidades...Chamei um encanador de minha confiança e trouxe minha cunhada engenheira que passaram o pente fino no apto. e concluíram que havia sim, um cano quebrado causando o vazamento, mas NA COZINHA DO ZELADOR, abaixo da laje.

Resumindo: o problema estava na cozinha dela e a louca querendo quebrar meu apto., me causando transtornos e prestes a gastar indevidamente o dinheiro do condomínio (ou então me mandaria a conta da palhaçada).

Fiz fotos, produzi provas, pedi um laudo técnico e propus que fizessem o teste: vedaríamos o cano quebrado e se a água parasse de vazar é porque achamos o problema. Quem diz que a cínica, ops, síndica aceitou...foi preciso bater boca e quase sair nos tapas com ela na portaria do prédio para que caisse na real...sim, por que ao longo de duas semanas sem dormir ou comer direito por causa do assédio moral dessa maluca, eu “chutei o balde”, “empinei a carroça”, “entornei o caldo” e disse poucas e boas para a pilantra...O cinismo e a incoerência da picareta são tais que as vezes eu pensava: não, isso deve ser uma pegadinha do Faustão, ou estou sonhando...era surreal como ela tentava provar o improvável e convencer que o fato de eu ter pedido um contrato era a causa de todos os males do mundo .....em que planeta ela vive?

Um dos conselheiros tomou a frente da encrenca e permitiu que o encanador que contratei fizesse o teste: NÓS TINHAMOS RAZÃO!

Sorte desta pilantra é que eu prezo pela minha paz de espírito, pois do contrário seria capaz de processá-la por danos morais...Agora é torcer para essa merd....não vazar mais...e eu não quero ver a cara desta sujeita nem pintada de outro...Com todo respeito aos bons síndicos, mas por favor, se você não tem equilíbrio emocional para o cargo, abandone e vá fazer tricô...

15:25 Écrit par Observatoire a dans Général | Lien permanent | Commentaires (0) |  Facebook |

Les commentaires sont fermés.