15/06/2005

O ALBERGUE ESPANHOL

Ah, ontem foi uma delícia assistir o filme “L’ auberge espagnole” e me teletransportar no tempo. Este filme é como um retrato dos meus primeiros anos aqui na Bélgica. A chegada em um país diferente para estudar, a necessidade de mergulhar em uma nova língua, os “erasmus” (nome do programa de intercâmbio de estudantes das universidades  européias, que acabou virando o apelido dos estudantes estrangeiros. É super bacana, pois oferece bolsa e está disponível a todos os alunos de universidades européias), dividir a casa com 6 estudantes das mais diversas nacionalidades (nossa casa abrigava estudantes do Canadá, França, Argélia, Camarão, Bélgica e Brasil) os conflitos com a limpeza, a pilha de louças, as filas para o banho, a divisão das (escassas) prateleiras da geladeira jurássica, ahaha!

Isso rende cada história engraçada...Sem falar nos conflitos linguísticos, ehehe, embora todos se esforcem para praticar a língua do país (no nosso caso, o francês), são sotaques esdrúxulos e expressões bizarras até pegar o jeito, hihihi!!

Mesmo a campainha é uma curiosidade à parte: cada estudante tinha um código para o toque da campainha da casa, assim, quando algum amigo vai te visitar, não incomoda os demais colocatários. O meu código eram 3 toques curtos, mas me lembro que os amigos da minha vizinha camaronesa, a Fampop, não dominavam bem a força nos dedos na hora de apoiar a “sonnerie” e no lugar de acionar a campainha com 3 toques longos,( que era o código dela) , acabavam tocando como se fosse para mim e era sempre eu a ir abrir a porta...ehehehe...meses depois a campainha teve problemas e mesmo se você apertasse o botão três vezes a gente só ouvia duas vezes e quem levava a pior era meu vizinho francês. “Pagava o pato”, pensava que era para ele quando os meus amigos passavam para me chamar...enfim, coisas bobas assim, mas que não vou esquecer nunca...Ah, tinha também o problema com os fusíveis: a gente nunca podia usar mais do que 2 eletrodomésticos ao mesmo tempo. Isso porque a geladeira era das antigas e consumia muita energia, dai se  ligássemos o microondas ao mesmo tempo que a torradeira ou a cafeteira, ....pimba...o fusivel queimava ou a chave de energia caia com a sobrecarga e precisávamos ir até o porão para religar...eu tinha pânico do porão daquela casa...brr...

Também são antológicas as minhas madrugadas de domingo mal dormidas. Isso porque a minha vizinha de quarto (residente em medicina)   passava o final de semana fora, mas nunca pensava em desligar o despertador do rádio-relógio. Dai, às 5h15 da manhã (pra mim, no domingo, isso ainda é madrugada), o bendito disparava primeiro com um bip ultra escandaloso e depois ficava mais de uma hora conectado numa rádio barulhenta, no volume máximo. Ninguém merece...Sempre que eu reclamava com ela, a gracinha se lembrava de desligar a geringonça durante um ou dois finais de semana, mas depois, a mesma ladainha...argh...

O barulho incomodava bastante porque nossos quartos, na verdade, eram um enorme quarto dividido em dois e separados por uma grande porta permanentemente fechada e com apenas uma cortina para escondê-la. Ou seja, vedação sonora não existia meeeesmo!!Ahahaha!Pior foi minha primeira noite por lá: eu ouvia alguém (desculpem-me a expressão) soltando “peidos” horríveis e barulhentos, uma crise de flatulência sem tamanho, e cada arroto de deixar o Capitão Caverna com inveja... fiquei só imaginando a cara do marmanjo mal–educado. No dia seguinte, descubro que a autora dos estrondos era uma jovem mocinha!Eeheheheh!

Mas voltando ao filme, ele relata de maneira muito gostosa essa realidade vivida por tantos estudantes que optam por sair de seu pais por um ano, dando continuidade ao curso no qual está matriculado, mas com a diferença de poder aperfeiçoar uma nova língua e expandir os horizontes. As festas, as saudades de casa, os conflitos com os (ex) namorados que ficaram para trás, ai, as noites mal dormidas se preparando para uma prova, os proprietários chatos e mal humorados,ahahaha, me identifico com cada cena do filme...tudo isso eu senti na pele!E não trocaria essas experiências por nada neste mundo! Resolvi ver o filme novamente porque daqui uns dias pretendemos ir ao cinema assistir a continuação: “Les Poupées russes”, que parece ser muito bom também!!Pra quem ainda não viu o primeiro (a produção é de junho de 2002), é a sugestão que deixo pra um final de semana descontraído!

 


13:57 Écrit par Observatoire a | Lien permanent | Commentaires (10) |  Facebook |

Commentaires

oi Acho muito dez estas recordações,MONICA.
O lace das campainhas achei super inteligente e deve mesmo ter proporcionado otimas gargalhadas,heheeh
Beijo grande!!

Écrit par : DO | 15/06/2005

hahahah... Hei, querida...que barato saber dessas historias...lembrancas que nao devem nunca ser esquecidas...mas essa dos "peidos" e de matar, hein!!!...hahaha...quem diria que uma "mocinha" poderia fazer tanto barulho???...hahahaha ...mas ate me interessei em assistir o filme...essa e infelizmente uma das experiencias que nao pude ter o prazer de curtir , morar com varios estudantes e conhecer a experiencia de cada um...Felicidades querida e que suas experiencias venham enriquecer mais e mais sua vida!!.beijossssss

Écrit par : kelly | 16/06/2005

Vida de estudante... Tu deves ter passado por experiências inesquecíveis, nao?
Enquanto a gente enfrenta essa vidad de estudante, pode até achar ruim, querer que acabe logo... mas depois, esse momentos fazem falta... Eu, que estou com a faculdade trancada, sinto até falta de esperar até as 11 da noite meu ônibus, depois da aula, num frio de 0 a 5 °C, e depois viajar 100 Km pra chegar em casa... Ir dormir à 1h, e levarntar às 7h pra ir trabalhar no outro dia... Ô, bons tempos, hehehe!!!
Beijao!

Écrit par : Patrícia | 16/06/2005

vou ver se assisto este filme Imagino o quanto de historia vc tem pra contar nao e? sao experiencias que como vc falou, voce jamais trocaria. Monica, voce vai voltar mesmo pro Brasil? e como vai ficar o seu amore ai sozinho sem voce?
um otimo fim de semana.
anna

Écrit par : anna | 16/06/2005

bons tempos sinto um pouco falta disso hoje em dia, dos amigos, das bagunças, pena nao tive oportunidade de fazer intercambio, quem sabe no doutorado? mas infelizmente depende mais do que da vontade e da capacidade intelectual, no nosso pais a gente sabe que isso depende de dinheiro.

Écrit par : luisandro | 17/06/2005

Vou alugar! Sempre vi na prateleira da locadora, mas nunca peguei... agora fiquei curioso!
Adorei a idéia da campainha... nunca tinha pensado nisso! Hehehe... deve ser bom morar assim por uns tempos, para aprender a compartilhar coisas, e estar em contato com pessoas diferentes (de culturas diferentes). Será que sou velho já para tentar fazer isso um dia???
Beijos!!!

Écrit par : Tolee | 17/06/2005

Fim de semana... Hei, amiga...so passei para te desejar um otimo fim de semana com muita paz e amor ao aldo de quem vc ama....
beijossssss....
PS..sabia que vc ia gostar dos bichanos do Catitude...assim que vi, pensei : "Ah!! A Monica ia adorar!!!"...hehehe....

Écrit par : Kelly Solheim | 17/06/2005

Hehehe heheeh quantas lembranças, hein? E qta história engraçada e bizarra...realmente não tem como esquecer e naõ tem como não recordar com saudade :p

Écrit par : Priscila | 17/06/2005

Oi Oi Monica, tb vi esse filme e adorei. Divertidas tb as suas recordações. Vc parte quando? Beijoca.

Écrit par : Teresa | 04/07/2005

Hallo Adorei este filme! É simplesmente um dos melhores que já assisti! Vale a pena ver: dinâmico, engraçado, natural e imprevisível! Sensacional! Um beijo a todos e parabéns pelo blog!

Écrit par : Daiana Cavalcante | 25/10/2009

Les commentaires sont fermés.